Hélio Leite se aventura na literatura | App Onde Ir Curitiba
Background Image

Artista plástico de Curitiba, Hélio Leites estreia, na Literatura como cronista

tarja branca

Para Paulo Leminski (1944 – 1989), Hélio Leites era o significador de insignificâncias. A expressão foi cunhada em 1986 em um artigo escrito pelo poeta em um jornal, ao falar sobre a busca do artista pelo trabalho com as miudezas da vida. Helena Kolody (1912 – 2004), no início dos anos 2000, fez uma gentil provocação ao artesão: porque você não escreve um livro? A resposta veio de forma também simpática: livro é para quem está sentado. Eu ainda estou caminhando e não sei onde esta história toda vai dar. Agora, quinze anos após o convite de Helena, Hélio apresenta para o mercado sua estreia na Literatura com Tarja Branca: o libreto que faltava.

Hélio Leites, 66, é uma figura conhecida na capital paranaense. Há décadas mantém uma barraca na Feira do Largo da Ordem, no centro da cidade, onde mantém um espaço que é mais do que um balcão para expor suas criações: trata-se de um pequeno palco de onde é possível ouvir histórias e fábulas a respeito das pequenas peças que produz. Hélio dedica-se a trabalhar com pequenas criações, muitas feitas com palitos de fósforo, tampinhas de garrafa, embalagens vazias reutilizadas e os clássicos botões, uma marca registrada da sua obra.

Tarja Branca: o libreto que faltava é uma reunião de crônicas escritas nos últimos anos pelo artista e distribuídas para um seleto grupo de amigos via e-mail. Nos anos 1970 Hélio já se dedicava a distribuir seus escritos e provocações literárias pelos correios para interessados na sua produção, movimento que era então chamado de Mail Art. Mais recentemente, com a facilidade da comunicação digital, o artista ampliou o alcance da sua distribuição, falando com gente de todo o mundo.

A organização dos textos coube ao escritor Luiz Andrioli, autor de O laçador de cães (2013) e O silêncio do vampiro (2014). Andrioli e Hélio se conhecem há mais quinze anos por conta de suas atividades artísticas na capital paranaense.

O projeto foi viabilizado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba e contou com o apoio da Caixa Econômica Federal e Celepar. Parte dos exemplares impressos serão distribuídos gratuitamente para escolas e instituições de ensino e pesquisa. O livro também conta com versões em áudio (narrada pelo próprio autor) e digital, as quais podem ser baixadas gratuitamente pelo site da editora.

O título faz parte da coleção Por um mundo menor, que reunirá somente autores que trabalham com narrativas curtas, a partir de um olhar aguçado sob o cotidiano. O próximo livro da série será assinado por Andrioli, com o título de Crônicas do varal da casa ao lado, com lançamento previsto para 2018.

Hélio Leites

Nasceu em 21 de janeiro de 1951 na cidadã da Lapa, Paraná. Formado em Economia, trabalhou 25 anos como bancário até a década de 1980. Porém, desde os anos de 1970 desenvolve o trabalho de performer e artista plástico, tendo desde então recebido diversos prêmios em salões e festivais pelo Brasil. Em 1986 começa a expor, interagir com o público e vender suas obras na Feira do Largo da Ordem, no centro de Curitiba. Sua barraca é um movimentado ponto de encontro de pessoas interessadas nas suas histórias e obras, sempre relacionadas com a estética do mínimo. Em 2010 formou-se na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Criador da Associação Nacional de Colecionadores de Botão, Secretário Geral do Fiu-Fiuuu Sport Club – Clube de Assobiadores, Diretor de Harmonia da Ex-Cola de Samba Unidos do Botão, Coordenador da Campanha Mundial de Antitaxidermismo, Secretário da Associação Internacional de Kinderovistas, Curador dos museus do Óculos, da Caixa de Fósforos, do Lápis e do Minipresépio. Sobre a trajetória de Hélio como artista plástico, foram escritos os seguintes livros e publicações: Pequenas Grandezas: miniaturas de Hélio Leites (Rita de Cássia Baduy Pires, Editora Artes&Textos, 2008); Mínimos (Hélio Leites, Cultural Office, 2010); e Efigênia Rolim e Hélio Leites: a vida das coisas (Organização de Guacira Waldeck, IPHAN, 2006). Em 2014 foi um dos entrevistados do documentário Tarja Branca, de Cacau Rhoden, cujo nome foi inspirado em seu depoimento. Tarja Branca: o libreto que faltava, publicado pela editora Curitiba Prosa Nova, é sua estreia com cronista.

Sobre a editora Prosa Nova

A Prosa Nova nasce com o propósito de viabilizar livros com relevância artística e social, nos mais diversos formatos, do papel ao digital. A empresa tem em seu curriculum diversos trabalhos realizados para as áreas de educação, comunicação e editoração. Em 2014 foi responsável pela curadoria do maior projeto de Literatura já realizado no Paraná, a Coleção Gazeta do Povo da Literatura Paranaense, que distribuiu meio milhão de livros no estado. A editora é uma iniciativa da historiadora Celina Fiamoncini Andrioli e do escritor Luiz Andrioli.

Serviço

O quê: Lançamento do livro Tarja Branca: o libreto que faltava, de Hélio Leites Quando: 18 de setembro de 2017, 18h.
Onde: Praça Santos Andrade, na 37a Semana Literária do SESC.
Preço: R$ 25,00 | www.prosanova.com.br

 

Para maiores informações sobre os lugares que você quiser visitar ou até para outras promoções, basta baixar o App Onde Ir Curitiba! Aproveite!
Sem Comentários

Fazer um Comentário